REFERÊNCIA NO SETOR, UNIDADE DA JBS COUROS DE MARABÁ (PA) RECEBE OURO

NA CERTIFICAÇÃO DE SUSTENTABILIDADE DO COURO BRASILEIRO 

 

Reconhecimento atesta que a empresa utiliza as melhores práticas no tripé economia, sociedade e meio ambiente,

de acordo com a norma ABNT NBR 16.296, auditada por meio de organismo acreditado pelo INMETRO

 

O setor de couros do Brasil tem um novo referencial no campo da sustentabilidade. Trata-se da JBS Couros – unidade Marabá (PA), que é o primeiro curtume dedicado à produção de couro wet blue reconhecido com o selo Ouro na Certificação de Sustentabilidade do Couro Brasileiro (CSCB), que atesta que a empresa utiliza as melhores práticas no tripé economia, sociedade e meio ambiente, de acordo com a norma ABNT NBR 16.296, auditada por meio de organismo acreditado pelo INMETRO.

 

A auditoria avaliou as dimensões ambiental, social, econômica e de sustentabilidade, e a unidade de Marabá atingiu uma média de 97% em 160 itens auditados, sem nenhuma não conformidade. Para o CSCB, um curtume sustentável é aquele que desenvolve suas atividades com resultados econômicos, reduz o impacto ambiental, proporciona condições de trabalho íntegras e interage com os demais públicos de interesse.

 

A cerimônia de entrega do reconhecimento foi feita na planta da JBS Couros em Marabá, com a participação de diretores da empresa, colaboradores e autoridades locais, além de representantes do CSCB e do Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB), entidade nacional que incentiva a certificação.

 

Criada em 2009, a JBS Couros atua na produção de couros nos estágios wet blue, semiacabado e acabado. Em Marabá, a empresa está presente há 11 anos produzindo couros wet blue e conta com mais de 150 colaboradores. Após acabamento, a produção é utilizada pelos setores automotivo, moveleiro e de calçados.

 

Nos próximos três anos, a unidade deverá seguir um cronograma de auditorias, avaliações e recertificações para manter o nível Ouro ou alcançar o nível Diamante, assegurando o compromisso com o aprimoramento de processos. “O engajamento provocado pela certificação, enraizando a cultura da sustentabilidade, é um dos pontos que tem chamado a atenção nos congressos técnicos e científicos onde o selo tem sido apresentado”, destaca Álvaro Flores, coordenador técnico do CSCB. Só em 2019, o CSCB já foi convidado a compartilhar sua experiência em eventos em Dresden (Alemanha), Nova York, Paris, Rio de Janeiro e Milão.