fundo parallax

Como usar a Inteligência Emocional para o seu desenvolvimento

Redação Conteúdo -

Redação Conteúdo 8 de setembro de 2020

Já ouviu aquela frase: “Não são as situações, mas como você reage a elas”? Pois é, alguém estava tentando nos ensinar sobre Inteligência Emocional.

A verdade é que não temos como controlar tudo o que vai acontecer: contamos com situações inesperadas e desafiadoras e, junto com elas, um turbilhão de sentimentos para administrar. É justamente sobre essa habilidade que vamos falar.

A Inteligência Emocional é nossa capacidade de conseguir reconhecer, avaliar e aprender a lidar com as nossas próprias emoções. Porém, é importante lembrar que “dominar essa técnica” não quer dizer “sentir apenas o que quiser”. Afinal, você não deixa de ser uma pessoa, só está entendendo o processo de acolhimento e controle das suas emoções.

 

Pilares da Inteligência Emocional

 

Segundo o jornalista e psicólogo Daniel Goleman, escritor e PhD da Universidade de Harvard, que ganhou as prateleiras do mundo todo com seu livro “Inteligência Emocional: a teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente”, são cinco os pilares da IE.

E acredite: trabalhar cada um desses pilares pode se tornar uma vantagem competitiva para a sua carreira. É só pensar que você já possui as habilidades para aquele cargo e desenvolver o lado emocional pode te auxiliar a tomar decisões difíceis e lidar melhor com os seus colegas – características de um verdadeiro líder. Segundo a Escola Conquer, 58% do desempenho profissional está relacionado à Inteligência Emocional e 90% dos casos de demissão são relacionados à falta dela.

 

 Autoconhecimento Emocional

É saber o que está por trás daqueles primeiros impulsos e ter mais consciência de si mesmo.  Por exemplo, você pode sentir uma enorme ansiedade ao fazer uma apresentação no trabalho, mesmo dominando o assunto. Você pode não notar, mas essa sensação pode fazer parte de um sentimento mais profundo como o “medo de falhar” ou de “não suprir as expectativas que os seus líderes colocaram em você”. Entender essa mistura de sentimentos de maneira racional pode ser importante para encontrar um ponto de equilíbrio.

 

 Controle Emocional

É saber administrar a si mesmo ainda que envolva lidar com situações difíceis, tendo a habilidade de se recuperar rapidamente.  As suas ações também devem considerar as percepções alheias, afinal avaliar como a outra pessoa pode reagir a sua resposta também é uma boa maneira de evitar desentendimentos.

Dica: Diante de uma situação nova ou difícil, respire fundo antes de responder ou peça para a pessoa repetir o que disse para elaborar uma resposta – isso vai te ajudar a controlar os primeiros impulsos.

 

  Empatia

É sobre reconhecer que os outros também têm sentimentos e criar a habilidade de relacionar-se de maneira mais verdadeira. Pensando no trabalho, é importante saber que as empresas são compostas sobretudo por pessoas e precisamos ter uma visão mais pessoal sobre como tratamos nossos colegas e reagimos a situações que envolvem falhas do outro.

Respeitar o momento de cada um também é parte importante do processo de empatia.

 

 Automotivação

É aceitar que você está em constante evolução e pode sempre mudar o seu modo de agir. E te garanto que essa nova atitude irá te abrir as portas para uma melhora no trabalho, nos relacionamentos e na vida em geral – autoconhecimento pode ser desafiador no começo, mas é importante manter o foco nos benefícios que virão.

 

  Relações Interpessoais

É aceitar que você está em constante evolução e pode sempre mudar o seu modo de agir. E te garanto que essa nova atitude irá te abrir as portas para uma melhora no trabalho, nos relacionamentos e na vida em geral – autoconhecimento pode ser desafiador no começo, mas é importante manter o foco nos benefícios que virão.

 

Como começar esse processo?

 

Queremos lembrar que você tem o direito de sentir o que sente. Mas é importante tirar um tempo para pensar e investigar a verdadeira causa desses sentimentos. 

A ideia principal é equilibrar razão e emoção, sendo mais consciente e percebendo comportamentos que podem ser prejudiciais para você. Anotar esses sentimentos e organizar um diário de emoções pode ser um bom começo. Manter essa rotina pode te ajudar a perceber quais situações e sentimentos são recorrentes e como você pode aprender a lidar melhor com eles.

Além disso, caso sinta necessidade, a terapia com um profissional pode ser uma ótima forma de trabalhar o autoconhecimento e desenvolver a inteligência emocional para lidar com os seus sentimentos, reconhecendo comportamentos e seus gatilhos.

 

Vamos continuar o assunto?

Neste Ted Talk, Brené Brown passa por diversos pilares da Inteligência Emocional e nos ensina sobre a importância de aceitar nossas falhas e seguir firme no processo de autoconhecimento.

Ted Talk: Brené Brown – O Poder de Vulnerabilidade

 

O filme “Divertidamente” mostra de maneira leve e lúdica como encaramos as mais diversas emoções. 

Filme – Divertidamente (2015)

 

faça parte