lavoura pecuaria com gado

lavoura pecuária com gado

fundo parallax

Comunicação

JBS expande atuação do Selo Biocombustível Social e deve incluir 200 novos pequenos produtores

lavoura pecuaria com gado

Em quatro anos, Companhia investiu cerca de R$ 5 milhões em assistência técnica;

Programa já garantiu faturamento de R$ 120 milhões para produtores

Apoiar pequenos produtores de gado com assistência técnica gratuita, garantir a compra dos animais e contribuir com a sustentabilidade da matriz energética brasileira. Esse é o papel da JBS dentro do Programa Selo Biocombustível Social, uma iniciativa da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo (SAF) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Desde o início da integração da atividade pecuária ao Selo, em 2015, a Companhia já adquiriu mais de 110 mil animais de 437 propriedades, em 21 municípios atendidos pelo programa na região de São Miguel do Guaporé (RO), além de investir cerca de R$ 5 milhões em assistência técnica gratuita com foco em uma produção eficiente e responsável.

“Mais da metade dos animais adquiridos pela JBS dentro do programa já foram processados, o que garantiu um faturamento de cerca de R$ 120 milhões para os pequenos pecuaristas envolvidos. Ao longo deste ano, queremos agregar 200 novos produtores ao programa e contratar mais 40 mil cabeças no estado”, explica Alexandre Pereira, diretor da JBS Biodiesel.

A partir do momento em que o produtor adere ao contrato, a JBS passa a fazer o planejamento do manejo sanitário, reprodutivo e nutricional da fazenda, além de tratar temas como biosseguridade, sustentabilidade e melhoria de pastagens. “Rondônia possui uma cadeia produtiva formada majoritariamente por pequenos produtores e o programa tem transformado essas propriedades, que vêm se tornando cada vez mais profissionais e tão eficientes quanto as grandes”, completa Pereira.

O Selo Biocombustível Social era oferecido exclusivamente para agricultores, como estímulo ao desenvolvimento e à geração de biodiesel a partir de fontes oleaginosas, como a soja. Como o sebo bovino, coproduto do processamento de carne, é a segunda fonte mais importante de matéria-prima para produção de biodiesel no Brasil, a inclusão da cadeia da pecuária no Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) pôde gerar um estímulo muito maior à economia.

Biodiesel sustentável desde a origem
Dentre as matérias que compõem a assistência técnica gratuita oferecida aos pequenos produtores que integram o programa está a sustentabilidade, que teve seus temas aprimorados no ano passado.

A Companhia incluiu no escopo orientações de sombreamento por meio de árvores de reflorestamento, técnica que promove um maior bem-estar animal – e, por consequência, maior qualidade da carne -, assim como permite a captura de carbono pela propriedade e geração de renda extra ao produtor por meio da produção de castanha e venda de madeira e lenha sustentáveis.

Nas fazendas onde há a possibilidade, a Companhia também fornece apoio para implementação de sistemas de Integração Lavoura Pecuária e Floresta Plantada (ILPF), como plantação de milho, por exemplo, que pode ser utilizado tanto para alimentação dos animais, como auxilia na recuperação de áreas degradadas. Ainda, em atendimento a uma política pública do estado de Rondônia, a JBS também incentiva o cultivo da capineira BRS Capiaçu nas fazendas, por meio de transporte de mudas e orientações, que oferece elevada produtividade e alto valor nutritivo, podendo ser usada como suplemento alimentar para os animais em períodos de seca.

“Quando iniciamos o atendimento ao pequeno pecuarista, também tratamos as questões de proteção ao bioma, de preservação das reservas hídricas e de nascentes, entre outros assuntos. A alta produtividade que alcançamos nessas propriedades está 100% conectada à intensificação sustentável do uso da terra”, sustentou Alexandre Pereira.

Segundo dados da SAF, é possível observar que o aspecto ambiental do biodiesel é muito significativo e vai além da inclusão econômica da agricultura familiar. Somente em 2019, dos 54 bilhões de litros de diesel produzidos ou importados pelo Brasil, 6 bilhões de litros foram de biodiesel incorporados. Como o biodiesel emite aproximadamente 70% menos gases de efeito estufa em relação ao diesel fóssil, isso permitiu que o país evitasse cerca de 11 milhões de toneladas de CO₂ lançadas na atmosfera.

A JBS Biodiesel possui duas plantas de biodiesel detentoras do Selo Biocombustível Social, em Lins (SP) e Campo Verde (MT), com capacidade autorizada total de cerca de 350 milhões de litros por ano. Em junho de 2020, a empresa iniciou a construção da sua nova fábrica de biodiesel, em Mafra (SC), que mais que dobrará a capacidade produtiva atual de biodiesel da Companhia.

A empresa também foi a primeira certificada para a comercialização de Créditos de Descarbonização (CBios) do programa RenovaBio. Em 2020, a JBS emitiu mais de 430 mil CBios.