FAQ

1. Por que a JBS decidiu assumir o compromisso Net Zero para 2040?
O aumento da temperatura do planeta já impacta a vida em todo o globo e é o maior desafio ambiental da história da humanidade. Com o Net Zero em 2040, a JBS demonstra seu reconhecimento da urgência da ação contra o aquecimento global. Entendemos a necessidade do planeta e assumimos um compromisso, como a primeira grande empresa global do setor de proteína a estabelecer uma meta Net Zero e impulsionar essa agenda em nível mundial.
2. Quais são as métricas da JBS para definir seu compromisso de Net Zero em 2040?
Já assumimos o primeiro passo em nível global: nos tornarmos Net Zero até 2040. A partir disso, vamos desenvolver metas de redução de emissões de gases de efeito estufa (GEE) em nossas operações globais e nas cadeias de valor na América do Sul, América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia. A Companhia fornecerá um plano com prazo determinado a partir de metas baseadas na ciência, consistentes com os critérios estabelecidos pela Science-Based Targets initiative (SBT), com o objetivo de restringir o aumento da temperatura global em 1,5°C até 2050. A empresa também fornecerá atualizações anuais sobre seu progresso para garantir a transparência.
3. O que de fato significa o “net zero”?
Net Zero é o estado de equilíbrio entre a quantidade de gases de efeito estufa produzida e a quantidade desse mesmo tipo de gases reduzida ou removida da atmosfera. Nesse âmbito, vamos atuar de três formas: i) fazendo da produção de nossas unidades um modelo de respeito ambiental, com todos os procedimentos e tecnologias voltadas ao mínimo impacto global; ii) induzindo soluções baseadas na natureza como práticas agrícolas regenerativas, reflorestamento e produção sustentável em todos os nossos fornecedores, de todas as nossas cadeias de valor; iii) numa ampla compreensão do ciclo de vida de tudo o que produzimos, estabeleceremos mecanismos de compensação para as emissões residuais que não conseguirmos mitigar.
4. Qual será o faseamento do plano para que a meta seja cumprida até 2040?
4. Qual será o faseamento do plano para que a meta seja cumprida até 2040?O anúncio é o primeiro passo dessa longa trajetória. Nos próximos meses, vamos amadurecer pontos para construirmos metas baseadas na ciência, que conduzirão nossa Companhia e que serão acompanhadas por entidades competentes e toda sociedade. Trabalharemos nas seguintes frentes:
  • Fomento à inovação: investiremos US$ 1 bilhão até 2030 em projetos que visam reduzir as emissões de carbono de suas operações, incluindo soluções que podem ser submetidas a uma comissão formada por executivos da empresa, especialistas, entidades e acadêmicos.
  • Eliminação do desmatamento: reforçamos o compromisso de alcançar uma cadeia de fornecedores de gado – incluindo os fornecedores de seus fornecedores – livre de desmatamento na Amazônia até 2025. E nos demais biomas brasileiros até 2030. Ainda buscamos zerar o desmatamento da cadeia de fornecimento global até 2035.
  • Uso de 100% de eletricidade renovável nas unidades em todo o mundo: vamos aderir ao RE 100, convertendo para 100% de eletricidade renovável de toda a sua operação até 2040.
  • Inovação na agricultura: a JBS investirá maciçamente em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) para encontrar e implementar soluções de mitigação das emissões, como projetos de melhorias nas práticas agrícolas regenerativas, de intensificação de sequestro de carbono no solo e em tecnologias voltadas para as fazendas dos fornecedores.
  • Prestação de contas e incentivo: a remuneração variável de altos executivos da JBS será atrelada às metas de mudança climática. Os líderes globais da Companhia vão supervisionar a alocação de capital, fomentar o envolvimento de fornecedores e desenvolver parcerias.
5. Todo o trabalho partirá do zero?
Não. A sustentabilidade sempre norteou o trabalho da JBS e temos vários projetos que, há anos, atestam nossa eficiência nessa esfera. No ano passado, por exemplo, ocupamos a melhor posição entre as brasileiras do setor de alimentos, bebidas e tabaco do ranking CDP, mais respeitada plataforma global de informações corporativas de sustentabilidade. Agora, estamos diante de um novo desafio, que vai exigir foco e empenho para ampliar nosso trabalho nessa frente.
6. A empresa cogita comprar créditos de carbono para compensar a emissão de gases?
A compensação via créditos de carbono será feita somente para emissões residuais. Nossa prioridade será a de reduzir o máximo possível nossas emissões e influenciar de modo a que reduções significativas ocorram em toda nossa cadeia de produção.
7. A meta definida pela JBS engloba somente as emissões diretas?
Não. Trabalharemos com o objetivo de ser Net Zero nas emissões diretas e indiretas. O “Escopo 1” é relativo às emissões de direta responsabilidade da JBS, como as oriundas dos processos industriais ou dos veículos da empresa. O “Escopo 2” inclui as emissões indiretas provenientes da geração de eletricidade para a Companhia. Já as de “Escopo 3” são as não pertencentes e não controladas por nós, ou seja, emissões provenientes da cadeia de valor – desde a produção da matéria-prima ao descarte das embalagens dos produtos. Nosso grande diferencial está no ‘Escopo 3’, já que tais emissões incluem todo o ciclo de vida de nossos produtos fora de nossas fábricas.
8. Quais órgãos vão validar a evolução do plano de metas da JBS?
Seguiremos a iniciativa de Metas Baseadas na Ciência (SBT), em linha com o objetivo global de limitar o aumento da temperatura em 1,5°C. Daremos total transparência aos resultados dos nossos Inventários de Gases de Efeito Estufa por meio de auditorias externas anuais realizadas por empresas acreditadas pelo Inmetro. Também vamos reportar nossos avanços para a SBTi e passaremos a divulgar riscos financeiros ligados à mudança do clima, em linha com a iniciativa TCFD – Task Force on Climate-related Financial Disclosure.
9. Como convencer os fornecedores a aderir a práticas mais sustentáveis?
Felizmente, temos um relacionamento próximo e franco com nossos fornecedores. Entendemos nosso papel nesse processo de transformação e nossa alta liderança participará ativamente no engajamento dos parceiros. Nessa linha, a JBS já está estabelecendo Escritórios Verdes no Brasil para oferecer assessoramento jurídico, ambiental e agropecuário para auxiliar produtores de bovinos na melhoria do manejo de suas propriedades, promoção do reflorestamento de áreas degradadas e estímulo ao aumento da produtividade sustentável – um trabalho que reduz as emissões de carbono e melhora a biodiversidade local.
10. Uma das principais críticas à JBS é em relação ao monitoramento dos fornecedores dos fornecedores.
Com a Plataforma Pecuária Transparente, graças a uma ferramenta blockchain, será possível saber se há problemas nos elos de produção anteriores aos fornecedores de bovinos que vendem matéria-prima para nossas unidades. Até o fim de 2025 será necessário que o produtor do bioma Amazônia esteja nessa plataforma para integrar a cadeia produtiva da JBS. Nos demais biomas, até 2030. Será um passo muito importante, que dará ainda mais eficiência ao sofisticado monitoramento já em prática, que verifica o compromisso dos fornecedores diretos da Companhia com relação a todas as cláusulas socioambientais da Política de Compra Responsável da JBS.
11. Quanto a JBS pretende investir para viabilizar o atingimento da meta?
A JBS investirá massivamente em medidas para reduzir suas emissões de carbono no curto prazo e temos uma verba de US$ 1 bilhão já alocada até 2030. Para a década seguinte, o valor será definido a partir dos avanços que tivermos e das medidas que estiverem em foco naquele momento, dentro do plano de descarbonização. Investiremos o que for necessário para atingir nossa meta Net Zero.
12. Haverá a criação de comitê global para acompanhar a evolução do plano Net Zero?
Teremos um conselho global composto por executivos da JBS, especialistas, entidades e acadêmicos para reforçar a estrutura de sustentabilidade de que dispomos.
13. Haverá remuneração variável de executivos atrelada às metas de mudanças climáticas?
Sim. A sustentabilidade não é somente um dos pilares fundamentais sobre os quais está assentada a Companhia, mas um princípio que perpassa todos os demais. Tornou-se o próprio negócio da JBS. Dessa maneira, é natural que a remuneração variável dos executivos também passe a estar atrelada ao alcance das metas de mudanças climáticas.
14. Está prevista parceria externa para acelerar a execução do plano?
A JBS necessariamente precisará de apoio externo e, por isso, vamos mobilizar os líderes globais em toda a organização para supervisionar a alocação de capital, investir em projetos de remoção de carbono e energia renovável, fomentar o envolvimento de fornecedores e clientes, desenvolver parcerias com terceiros e garantir a adoção do compromisso Net Zero em toda a empresa. Também vamos convidar públicos externos e especialistas terceiros para apoiar essa mobilização, no que diz respeito às estratégias de redução da intensidade das emissões do Escopo 3.
15. Quais entidades atestam que a companhia é a primeira do setor a firmar esse compromisso?
Buscar ser Net Zero é algo novo e totalmente voluntário. Há iniciativas ligadas à publicação de metas de mitigação de emissão, sendo a principal a Science Based Target Iniciative (SBT), e ainda são poucas as empresas com o compromisso de ter esse tipo de meta. Além do SBT, há o reporte do CDP Climate Change sobre as estratégias de mitigação de emissões de gases de efeito estufa e outras inciativas como o The Climate Pledge. Consultas a essas entidades indicam que nenhuma grande empresa global do setor de proteína animal estabeleceu o objetivo de ser Net Zero.
16. O plano Net Zero da JBS prevê mudança em sua frota de caminhões?
O compromisso Net Zero da JBS contempla também as emissões de escopo 1, as de origem em nossas unidades industriais e veículos. Estamos planejando iniciativas para migrar para uma frota de veículos mais eficiente, sustentável e com maior uso de combustíveis renováveis. Em breve detalharemos esse plano para que nossa frota cumpra sua parte em nossa missão climática.
17. A JBS dispõe de um time de especialistas em economia de baixo carbono?
A JBS dispõe de um time especializado em sustentabilidade em grande parte de suas unidades ao redor do mundo e está cercada de importantes especialistas no tema. Temos também importantes parcerias com universidades que nos ajudam a aprofundar os estudos de nossas emissões e potenciais ações de mitigação e remoção de CO2 da atmosfera. Além disso, a Companhia está se aliando às mais importantes entidades globais de estudo e desenvolvimento científico no campo da mudança do clima para fortalecer suas iniciativas, tais como SBT, RE 100, TCFD, WEF, CGI e outras.