Negócios

Boi a termo

A JBS é reconhecida por promover inúmeras ferramentas e serviços para tornar mais prático o dia a dia do pecuarista. Em 2004 a empresa foi pioneira em apresentar a possibilidade de comercializar seus animais a qualquer momento do ciclo de produção. A modalidade faz parte do programa “Conexão JBS”, que viabiliza acordo entre o produtor e a JBS para compra e venda de bovinos, definindo o valor ou condição comercial, a data e a quantidade de arrobas a ser entregue futuramente, com algumas alternativas de modalidades para o negócio.

Entre os benefícios desse tipo de negociação, além da possibilidade de comercialização do boi em qualquer época do ano – independente do animal estar pronto para o abate, estão a mitigação dos riscos envolvidos na atividade, o custo zero para uso do mercado futuro e sem o comprometimento de fluxo de caixa da fazenda, o fomento ao desenvolvimento da pecuária de longo prazo e a possibilidade de negociação sob medida dos animais para assegurar, por meio de planejamento, maior rentabilidade perante os custos de produção.

Negócios

A JBS tem uma carteira de cerca de 500 pecuaristas para essa modalidade e contratou em 2015 cerca de 1,3 milhão de cabeças. Cerca de 80% destes clientes são confinadores, que antes possuíam uma janela muito estreita para comercializar seus animais e ficavam inseguros sobre eventuais quedas de preço abaixo do custo de produção. Porém, alguns produtores de boi a pasto também estão recorrendo a essa ferramenta, especialmente os que fazem semiconfinamento, por conta da possibilidade de controle de custos.

A ferramenta de boi a termo é responsável por cerca de 15% do abate nacional anual da companhia e movimenta cerca de 2,2 milhões de cabeça por ano.